Autores 2016

Conheça os autores que participam do Ciclo Páginas Anônimas, parte da programação da FlipZona 2016.

Allan Jones
Nascido em Lagarto (SE), em 1990, Allan Jones é poeta e ator. Participa de slams de poesia por todo o Brasil e venceu, em maio de 2013, o ZAP Slam – competição de performance em poesia –, que teve a curadoria do escritor Marcelino Freire. Ao lado de outros nomes literários contemporâneos, foi convidado pelo poeta Bruno Brum para compor as edições 2014 das micro-antologias do projeto Leve1Livro.

César Gouveia
Paulistano, nascido em 1991, César Gouveia é jornalista e empreendedor. Criou o jornal comunitário Vozes da Vila Prudente, no bairro da zona leste de São Paulo, e a agência #TamoJunto, focada em desenvolver as mídias sociais de microempreendedores e personalidades das periferias. Também trabalha no projeto Conectados com foco em comunicação comunitária.

Diego Moraes
Diego Moraes nasceu em 1982, em Manaus, onde vive e trabalha até hoje. É escritor de carreira consolidada. Publicou A solidão é um deus bêbado dando ré num trator (Editora Bartlebee, 2013) e Um bar fecha dentro da gente (Editora Douda Correria, 2015). Em 2016, lançou Meu coração é um bar vazio tocando Belchior (Editora Penalux). É um dos idealizadores da Flipobre, evento literário que acontece inteiramente online.

Jéssica Oliveira
Jornalista, cronista e produtora cultural, Jéssica Oliveira nasceu em 1992. Mora em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Descobriu a paixão pela escrita aos 16 anos, no projeto cultural Jovem Repórter, quando aprendeu a contar as histórias escondidas pelos bairros da cidade. Mais tarde, participou da Flupp, Festa Literária Internacional das Periferias, como produtora e autora, integrando em 2015 a coletânea Eu Me Chamo Rio, organizada em parceria com a Casa da Palavra.

Edu Carvalho
Nascido no Rio de Janeiro, em 1998, Edu Carvalho mora na favela da Rocinha, na capital carioca. É jornalista comunitário e já colaborou para portais como Rocinha.org e FaveladaRocinha.com. Assim que acabar o ensino médio, deseja cursar jornalismo.

Flavio Araujo
Filho de uma família de pescadores da Praia do Sono, comunidade caiçara situada em Paraty, Flavio Araujo tem poemas publicados em coletâneas, sites e revistas literárias. Colabora com o Jornal de Paraty desde 1999. Em 2008, lançou Zangareio (Selo Off Flip). Participou da FliPorto – Festa Literária Internacional de Porto de Galinhas, em Pernambuco, e do XIV Festival Internacional de Poesía de la Habana, em Cuba.

Gabriela Marsico
Dos 19 anos que Gabriela Marsico tem, 13 foram ocupados em meio às atividades da Flip, primeiro na Flipinha, depois na FlipZona – a ala jovem da Festa. Foi lá que ela começou a amar literatura e a escrever suas primeiras matérias. Cursa antropologia na Universidade Federal Fluminense e, atualmente, trabalha no IPHAN do Rio de Janeiro, na área de patrimônio imaterial. Pretende desenvolver, em Paraty, um projeto que una antropologia visual e memória.

Kammal João
Kammal João é artista plástico, vive e trabalha no Rio de janeiro. Prestes a terminar a faculdade de design, decidiu embarcar em uma longa jornada, sem definir previamente os pontos por onde passaria nem o tempo que ficaria em cada cidade. Como trabalho de conclusão do curso, Kammal escolheu reunir cartas, escritas, mas sobretudo desenhadas, enviadas ao irmão, Amir, que na época tinha 7 anos. Foram mais de 150 cartas produzidas durante a viagem, que deram origem ao livro O tempo sem tempo (Editora A Bolha, 2015).

Márcio du Coqueiral
Nasceu em Estância (SE), em 1983, e atualmente mora em Barra dos Coqueiros, na região metropolitana de Aracaju. Viveu também em Coqueiral, de onde pegou o nome emprestado. Na oitava série, matava aula para ir assistir as classes de literatura do colegial, não deu outra: formou-se em letras e sonha em ser professor. Escreveu o livro O que sobrou da enchente.

Mel Duarte
Paulistana, nascida em 1989, Mel Duarte é poeta, slammer e produtora cultural formada em comunicação social. Atua com literatura independente desde 2006, quando conheceu o movimento dos saraus na cidade de São Paulo. Desde então, teve suas poesias publicadas em onze antologias. Faz parte dos coletivos Poetas Ambulantes, cuja missão é declamar poesias nos transportes públicos da cidade e Slam das Minas-SP, uma batalha de poesias voltadas para as mulheres. Possui dois livros publicados de forma independente: Fragmentos dispersos (2013) e Negra, nua crua (2016).

Anúncios